31 de dezembro de 2014

Fotos do dia - 31 de dezembro de 2014


A chegada de 2015 em Sydney, na Austrália
Já é Ano Novo na Austrália. Milhares de pessoas acompanham o show de queima de fogos em SydneyCrédito: AP Photo/Rob Griffith
Já é Ano Novo na Austrália. Milhares de pessoas acompanham o show de queima de fogos em Sydney
A chegada de 2015 em Sydney, na AustráliaCrédito: AP Photo/Rob Griffith
Estudantes dão as boas vindas ao novo ano em uma escola em Ahmabadab, na Índia
Estudantes dão as boas vindas ao novo ano em uma escola em Ahmabadab, na ÍndiaCrédito: AP Photo/Ajit Solanki
Milhares de corredores participam da 90ª edição da Corrida Internacional de São Silvestre, com largada na Avenida Paulista, em São Paulo
Milhares de corredores participam da 90ª edição da Corrida Internacional de São Silvestre, com largada na Avenida Paulista, em São PauloCrédito: Levi Bianco / Brazil Photo Press / Agencia O Globo
Dawit Admasu, da Etiópia, venceu a prova masculina da Corrida de São Silvestre com o tempo de 45min04s nesta quarta-feira, em São Paulo
Dawit Admasu, da Etiópia, venceu a prova masculina da Corrida de São Silvestre com o tempo de 45min04s nesta quarta-feira, em São PauloCrédito: Marcos Alves / Agencia O Globo
Soldados da Indonésia carregam corpos dos ocupantes do avião da AirAsia que caiu no domingo (28) no mar de Java com 162 pessoas a bordo. Até agora, oito corpos foram resgatados
Soldados da Indonésia carregam corpos dos ocupantes do avião da AirAsia que caiu no domingo (28) no mar de Java com 162 pessoas a bordo. Até agora, oito corpos foram resgatadosCrédito: AP Photo/Firdia Lisnawati
O desespero de familiares dos passageiros do voo 8501 da AirAsia ao deixar o centro de crise no Aeroporto Internacional Juanda, em Surabaya, na Indonésia. O avião caiu no domingo no mar de Java com 162 pessoas a bordo
O desespero de familiares dos passageiros do voo 8501 da AirAsia ao deixar o centro de crise no Aeroporto Internacional Juanda, em Surabaya, na Indonésia. O avião caiu no domingo no mar de Java com 162 pessoas a bordoCrédito: AP Photo/Firdia Lisnawati
O diretor de cinema Woody Allen canta ao lado de sua banda de jazz durante um concerto de fim de ano em Badajoz, na Espanha
O diretor de cinema Woody Allen canta ao lado de sua banda de jazz durante um concerto de fim de ano em Badajoz, na EspanhaCrédito: EFE / Oto
RSS

Madonna troca Réveillon do Rio por neve em Gstaad



Madonna e Valentino - Réveillon em Gstaad (Foto: Reprodução Instagram)

Madonna não vai passar a virada do ano em praias cariocas. Embora Riccardo Tisci, estilista da Givenchy e amigo da cantora, tenha anunciado sua vinda pelas redes sociais, a loura escolheu o vilarejo de Gstaad, nos Alpes Suíços, precisamente na casa do estilista Valentino, como tem feito há três anos. “Isso aqui é fantástico. A neve, o clima, a atmosfera. Tudo é lindo, eu amei”, disse Madonna quando passou a virada no local em 2012. Tanto gostou que decidiu comprar um chalé no vilarejo por 30 milhões de euros para passar a temporada esquiando com a família - Lourdes, Rocco, David e Mercy.  Rocco, inclusive, só pensa em praticar snowboard.
Segundo fontes, Madonna não aceitou o convite de Tisci - inclusive os fotógrafos  Mert Alas & Marcus Piggott, amigos muito próximos de Madge, também estão no Rio -  por causa do caos depois do vazamento das 11 músicas de seu próximo álbum, Rebel Heart, com participações de Diplo, Nicki Minaj, Alicia Keys e Avicii. Nas redes sociais, ela desabafou ao postar a foto de iPod quebrado. "Esse iPod quebrado é um símbolo do meu coração partido. Minha música foi roubada e vazada. Fui violentada como ser humano e artista. Vou lutar pelos meus direitos como artista, ser humano e mulher até o fim dos meus dias".  Ela liberou seis canções oficialmente no iTunes que chegaram ao topo de vendas em 41 países. Mas, mesmo assim, a Rainha do Pop e seu empresário, Guy Oasery, vão tomar medidas judiciais e estão caçando o 'vazador' das músicas.

O Natal da conciliação

Chega ao fim um ano marcado por confrontos, guerras e falta de diálogo. 
Em tempos assim, os exemplos dos pacificadores se tornam mais poderosos

MARCELO MUSA CAVALLARI


HUMILDADE É FORÇA  O papa Francisco pediu a bênção ao patriarca Bartolomeu em Istambul, em novembro. Ao mesmo tempo, mediava uma reaproximação histórica entre Cuba e EUA (Foto: Gregorio Borgia/AP)

>> Reportagem publicada na edição de 22 de dezembro de ÉPOCA

O Brasil chega ao fim de 2014 politicamente dividido. Nas eleições deste ano, os ânimos se acirraram mais que em qualquer outra disputa desde a redemocratização. O clima de confronto por aqui é amargo, mas coisa leve, comparado ao que ocorre no resto do mundo. Neste ano, começaram ou agravaram-se, planeta afora, conflitos de vários tipos. A Rússia incentiva uma guerra territorial na Ucrânia. Nos Estados Unidos, milhares saem às ruas, revoltados com a morte de um adolescente negro pela polícia. O grupo terrorista Estado Islâmico degola e enforca em nome da religião. Israelenses e palestinos nem conversam mais. Um ano de selvageria chega ao fim com a notícia de um massacre de crianças numa escola no Afeganistão. O Natal de 2014 parece trazer pouca esperança de conciliação e paz entre os homens.
O cenário é frustrante. No Evangelho de Lucas, que narra com mais detalhes o nascimento e a infância de Jesus, a chegada daquele reconhecido como messias pelos futuros cristãos é associada à paz. Os pastores que passavam a noite nas imediações da cidade de Belém, escreveu Lucas, viram um anjo no céu a lhes anunciar o nascimento do menino. “E, de repente, juntou-se ao anjo uma multidão do exército celeste a louvar a Deus, dizendo: ‘Glória a Deus no mais alto dos céus e paz na terra aos homens que ele ama!’”, diz o texto. A imagem de uma paz edulcorada de decoração de loja de brinquedos não condiz com a própria história do nascimento de Jesus. A chegada do menino-deus dos cristãos não foi pacífica. O Evangelho de Mateus narra que o rei Herodes sentiu-se ameaçado pelo nascimento e tentou matar o menino, ao decretar a morte de todas as crianças de menos de 2 anos. Conhecidos como Santos Inocentes, esses mártires são festejados pouco depois do Natal, em 28 de dezembro. O dia 26 é de Santo Estêvão, o primeiro mártir cristão, morto por apedrejamento quando o cristianismo ainda mal se distinguia do judaísmo do qual nasceu.
>> O Natal da reconciliação de Estados Unidos e Cuba

Mensagens e exemplos de paz, portanto, não precisam de tempos tranquilos para vicejar. Pelo contrário, ganham força em tempos sombrios. Até o papa Francisco, associado por muitos a um pacifismo sem peias que se atribui à imagem de São Francisco, faz questão de pôr as coisas no lugar. Durante a visita que fez a Assis, na Itália, em outubro de 2013, ele exortou cada admirador de São Francisco a se aprofundar no conceito de paz. “Qual é a paz que Francisco acolheu e viveu, e nos transmite? A paz de Cristo, que passou por meio do maior amor, o da Cruz. A paz franciscana não é um sentimento piegas”, afirmou. Quem assume o difícil papel de defender o diálogo entre partes que buscam o confronto coloca-se, nas palavras do papa, sob um jugo – ao mesmo tempo, um peso e um sinal de obediência a uma missão maior que si mesmo. “E esse jugo não se pode levar com arrogância, presunção, orgulho, mas apenas se pode levar com mansidão e humildade”, disse. Humildade que Francisco usou para mediar o restabelecimento de relações diplomáticas entre Cuba e Estados Unidos. Francisco pôs-se a serviço da paz sem chamar para si qualquer tipo de glória. A ideia de reconciliação é absolutamente central no cristianismo. Ela passa pela paixão, morte e ressurreição de Jesus. Só depois da perseguição e do sofrimento do messias, o homem se reconcilia com Deus. O Natal é só o começo.

Ao longo de sua história, o cristianismo se viu envolvido em inúmeras situações de confronto e desentendimento. O recente encontro de Francisco com o patriarca ecumênico de Constantinopla Bartolomeu, em Istambul, é um novo passo na tentativa de conciliação da mais antiga divisão entre cristãos. Francisco e Bartolomeu rezaram juntos e prometeram um ao outro lutar pela unidade das igrejas que representam. Não é um caminho fácil. A separação definitiva se deu em 1054, quando os chefes das igrejas ocidental e oriental se excomungaram mutuamente. A primeira aproximação ocorreu apenas em 1964, quando o então papa Paulo VI se encontrou com o então patriarca Atenágoras. Paulo VI também incentivou a reaproximação entre católicos e protestantes. Seu antecessor, João XXIII, recebera o arcebispo da Cantuária, chefe da Igreja da Inglaterra, em 1960. Paulo VI repetiu o gesto numa audiência privada com Michael Ramsey, arcebispo da Cantuária, em 1966. Foi São João Paulo II quem fez mais gestos de reaproximação entre cristãos. Em sua visita à Romênia, em 1999, tornou-se o primeiro papa a ir a um país de maioria ortodoxa. O gesto se repetiu com a viagem à Grécia, em 2001. João Paulo II foi também o primeiro papa a visitar a Sinagoga de Roma e o primeiro a ir a Israel, após o Vaticano reconhecer aquele Estado. No jubileu do ano 2000, pediu perdão por erros passados cometidos por integrantes da Igreja.
 
OS DIFERENTES Encontro ecumênico em São Paulo, em 2006. A religião pode ser uma força a favor  do diálogo, não  do confronto (Foto: Evelson de Freitas/Estadão Conteúdo)
João Paulo II tinha já uma longa experiência no caminho da busca pela conciliação por meio do perdão. Depois da Segunda Guerra, tornou-se evidente, para cristãos poloneses e alemães, que um início de reconciliação entre os dois povos teria de começar com eles. O primeiro passo, 12 anos depois do fim da guerra, em 1957, foi um encontro entre os chefes do episcopado católico alemão, o cardeal Julius Döpfner, e polonês, o cardeal Stefan Wyszynski. As relações eram frias. Muitos integrantes do clero polonês haviam morrido nas mãos de nazistas. Em 1965, os protestantes alemães pediram às autoridades que reconhecessem oficialmente as novas fronteiras da Alemanha, que perdera território para a Polônia. Em novembro daquele ano, os bispos poloneses fizeram o gesto mais impressionante. “Estendemos nossas mãos a vocês, sentados aqui nos bancos do Concílio que se encerra, oferecendo nosso perdão, assim como o pedimos”, afirmava uma declaração escrita a bispos alemães por três de seus colegas poloneses – entre eles, o então arcebispo de Cracóvia, Karol Wojtyła, futuro papa João Paulo II.
A disposição de perdoar os alemães foi classificada como traição pelo governo comunista polonês da época. O papel que religiosos poderiam exercer na reconciliação dos povos estava dado. “É natural que a Igreja Católica se interesse por reconciliação,” afirma Daniel Philpott, professor de ciência política no Instituto Kroc de Estudos da Paz Internacional, da Universidade Notre Dame, nos EUA. Ele faz um paralelo evidente entre a construção da paz e a eucaristia, sacramento fundamental dos católicos, que restaura a amizade com Deus. Philpott trabalha com um conceito valioso chamado justiça de transição. Trata-se do conjunto de ações necessárias para superar uma fase de abuso de direitos humanos, após guerras, ditaduras ou regimes de discriminação. Ele alerta para o vício de muitos ativistas de direitos humanos, ao rejeitar perdões e anistias, mesmo que esse curso de ação não contribua com o diálogo. Philpott afirma que o perdão pode ter um impressionante efeito restaurador nos cenários políticos em reconstrução. Aponta para outras vozes, vindas principalmente de comunidades religiosas. Sem descartar completamente o uso de punições, essas vozes dão prioridade à restauração de relacionamentos justos e à cura de feridas.
>> 2014, o ano da brutalidade

Há algo desse tipo de abordagem já no famoso discurso “I have a dream” (Eu tenho um sonho), feito em 1963 numa manifestação em Washington, pelo fim da segregação racial nos EUA. Seu autor foi o pastor protestante Martin Luther King. “Tenho um sonho de que, um dia, nas colinas avermelhadas da Geórgia, os filhos dos ex-escravos e os filhos dos ex-donos de escravos serão capazes de sentar-se juntos à mesa da igualdade”, disse King. A Lei de Direitos Civis de 1964 fez dele um vitorioso. Seu assassinato, em 1968, fez dele um mártir da reconciliação.

Aos que desanimam com a aparente falta de talento da humanidade para a reconciliação, não faltam exemplos redentores. A Comissão da Verdade instalada na África do Sul nos anos 1990, durante o ciclo de superação do apartheid – a política de segregação de negros e brancos –, emprestou do cristianismo a penitência e o perdão. Dirigida pelo então arcebispo anglicano Desmond Tutu, histórico combatente pelo fim do apartheid, ela propôs perdão dos crimes cometidos durante o regime racista para quem se apresentasse e os confessasse. Eugene de Kock, o mais brutal dos mantenedores do apartheid, arrependeu-se de seu passado depois de ser perdoado, durante o funcionamento da Comissão da Verdade, pela viúva de um ativista negro que ele assassinara. Esse ambiente foi fundamental para o sucesso do governo do líder negro Nelson Mandela, iniciado em 1994. Participou desse governo o presidente anterior, o branco Frederik De Klerk, cuja participação foi indispensável para a transição rumo à democracia racial.
 
  •  
PACIFICADORES Frederik De Klerk e Nelson Mandela em 1994, no governo que encerrou o apartheid (1). Os bispos Gerardi, da Guatemala (2), e Odama,  de Uganda (3), se colocaram em risco para iniciar ciclos  de conciliação em seus países (Foto: Juda Ngwenya/Reuters, reprodução e Andrea Nieto/Getty Images)
O bispo da Guatemala Juan Gerardi foi assassinado em 1998, por seu empenho num processo semelhante. Oficiais do Exército o mataram dois dias depois de ele entregar o relatório do Projeto de Recuperação da Memória Histórica. O projeto fora lançado por ele em 1995. Espalhou centenas de voluntários pelo país para coletar histórias de atrocidades da guerra civil, entre 1960 e 1996. O relatório e a morte de Gerardi contribuíram decisivamente para o fim da guerra civil.
Em julho de 2002, o arcebispo John Baptist Odama, de Gulu, na Uganda, foi a pé ao esconderijo do líder guerrilheiro Joseph Kony, responsável por mais de 200 mil mortes na luta contra o governo ugandense. Odama estava acompanhado por outros líderes religiosos – naquele momento, representantes muçulmanos e anglicanos, além de anciãos de tribos ugandenses, compunham uma força pacificadora. Odama obteve o início de negociações de paz e incentivou a população a perdoar os perpetradores de atrocidades, entre eles Kony.

A cientista política Monica Toft, professora na Universidade de Oxford, no Reino Unido, fez um levantamento sobre guerras civis e concluiu que um número crescente delas termina em conciliação, não em vitória de um dos lados. De 1940 a 1989, três quartos das guerras civis acabaram em vitória de um lado. Nos anos 1990, 42% delas tiveram soluções negociadas. Mais guerras civis terminaram em acordos de paz de 1989 a 2004 que nos dois séculos anteriores. Das 55 operações de paz feitas pela Organização das Nações Unidas (ONU) desde 1945, 41 começaram após 1989. Gerard Powers, especialista em relações internacionais e ex-assessor da Conferência Episcopal Americana para Construção da Paz (Peacebuilding), lamenta que líderes e comunidades religiosas ainda sejam pouco usados em negociações de paz. Acredita que predomine, na comunidade de defesa dos direitos humanos, a visão da religião como um fator de intolerância e violência. Para Powers, religiosos são agentes eficazes de transformação, tanto em iniciativas de base, em comunidades e na sociedade civil, como em negociações de alto nível, entre governos – como se viu na semana passada, na aproximação entre Cuba e EUA. Para os cristãos, a paz anunciada pelo anjo no primeiro Natal continua a ser uma esperança e um dever.

2014, o ano da brutalidade

O massacre de 132 crianças no Paquistão encerra um ano marcado por conflitos. Em alguns, houve recusa ao diálogo. Em outros, banhos de sangue

FILLIPE MAURO COM RODRIGO TURRER


CHOQUE Uma mãe vela o filho morto no ataque a uma escola no Paquistão. Foi uma vingança do Taleban contra o governo (Foto: © Zohra Bensemra / Reuters)

>> Reportagem publicada na edição de 22 de dezembro de ÉPOCA

Às 10 horas da manhã do dia 16 de dezembro, centenas de alunos e professores do Colégio Militar de Peshawar, no norte do Paquistão, saíram das classes para o intervalo. No pátio, crianças, adolescentes e adultos foram emboscados por sete militantes armados do grupo fundamentalista islâmico Taleban. Os terroristas usaram pistolas e granadas numa matança cruel – assassinaram 141 pessoas, 132 delas crianças. Deixaram 114 feridos. O Exército cercou a escola e iniciou um tiroteio que durou nove horas. Quatro terroristas se suicidaram, e três foram mortos pelos militares.

Um massacre dessa magnitude foi o desfecho trágico de um ano marcado por uma longa lista de horrores (leia no quadro abaixo). Em 2014, o mundo viu o que de pior a humanidade pode produzir. O grupo fundamentalista Estado Islâmico  (EI) destacou-se como novidade na galeria da barbárie. A cada vilarejo conquistado na Síria e no Iraque, seus jihadistas crucificaram, enforcaram, degolaram, evisceraram e estupraram suas vítimas. A ONU estima que o EI tenha matado mais de 30 mil pessoas em 2014. O grupo filma e expõe ao mundo as decapitações de ocidentais sequestrados.
>> O Natal da reconciliação de Estados Unidos e Cuba

O horror patrocinado pelo fundamentalismo islâmico não foi o único a chocar o mundo. Na guerra civil da Síria, o número de mortos em 2014 passou de 50 mil (são mais de 200 mil no total). Outro conflito sem fundamento religioso contribuiu com a carnificina. Na Ucrânia, a disputa entre os separatistas do leste e os ucranianos pró-Ocidente do oeste deixou mais de 4.300 mortos. Com patrocínio dos russos, os separatistas atacaram pequenas cidades do leste. No afã de derrotar as forças ocidentais, com pesado armamento antiaéreo fornecido pela Rússia, os separatistas miraram em aviões militares ucranianos e atingiram um avião civil da Malaysia Airlines, matando 283 pessoas, em julho.

Em outro conflito que parece cada vez mais distante da solução, os militantes do grupo extremista palestino Hamas dispararam foguetes contra cidades israelenses na Faixa de Gaza. A resposta foi dura. Por 50 dias, as forças militares israelenses bombardearam Gaza para destruir a infraestrutura do Hamas. Os militantes haviam construído suas bases de lançamento propositalmente próximas de residências, a fim de que houvesse o máximo de vítimas, em caso de reação israelense. O revide de Israel matou 1.523 civis, 519 deles crianças. O drama desse embate não se esgota na guerra aberta em 2014. Haveria algum alento se, ao fim dos ataques, houvesse sido criado um novo canal de diálogo. Negativo. Foram enterradas em 2014 quaisquer perspectivas animadoras para as negociações.
A dificuldade de entendimento deste ano se expressou não só em conflitos armados, mas também na frustração  de negociações, na ruptura ou na recusa ao diálogo. O fim do governo de Mahmoud Ahmadinejad no Irã e a ascensão do moderado Hassan Rohani ao poder haviam trazido uma réstia de esperança na retomada de relações melhores com o Ocidente. Estados Unidos e União Europeia acreditavam que 2014 marcaria o fim da crise nuclear do Irã, por meio de um acordo para o enriquecimento de urânio no país. O secretário de Estado dos EUA, John Kerry, voltou a Washington de mãos abanando, com a promessa de novas conversas para daqui a sete meses. Diplomatas americanos revelaram ao jornal The New York Times que as reuniões tiveram momentos de exaltação. Um deles afirmou que, pela primeira vez em vários encontros, os negociadores “levantaram o tom de voz” e “trocaram alfinetadas desagradáveis”. Outro sinal de esperança desapareceu em Mianmar. A Junta Militar que governa o país há mais de 50 anos recuou na transição para a democracia, iniciada em 2008, e cerceou os direitos da líder da oposição e Nobel da Paz Aung San Suu Kyi.

No Brasil, nosso 2014 sombrio não se caracterizou por novos conflitos armados. Continuamos a ser um dos países mais violentos do mundo, atormentado pelo banditismo e pela falta de segurança pública. A novidade ruim de 2014 foi o clima de guerra que marcou as eleições. Parte dos brasileiros, ao escolher o candidato que considerava mais adequado, viu-se sob críticas preconceituosas e aplicação de rótulos como “insensível com a miséria” ou “favorável à corrupção”. A festa da democracia não foi das mais alegres. Reconciliar petistas e tucanos, porém, é um milagre que parece fora do alcance até do papa Francisco.  
 
  •  
O pior do ano  (Foto: Antonio Bronic/  Reuters, reprodução, Ricardo Moraes/Reuters e Reuters)